Laboratório de Hipnose Forense da Polícia Científica do Paraná é destaque em congresso no Chile
22/05/2014 - 10:30

O chefe do Laboratório de Hipnose Forense do Instituto de Criminalística do Paraná, Dr. Rui Sampaio, participou, na semana passada, do IV Congresso Sul Americano de Hipnose (Hipnosur), realizado em Santiago, no Chile. O evento foi realizado pela Associação Chilena de Hipnose e contou com a participação de 10 países e cerca de 150 participantes. Sampaio é médico psiquiatra, psiquiatra forense e psicólogo clínico.
Durante o congresso, Sampaio fez uma apresentação sobre o funcionamento do Laboratório de Hipnose Forense, que já solucionou mais de 700 casos por meio da técnica. Também foi comentado sobre os últimos trabalhos realizados, que foram solucionados em conjunto com a elaboração de retrato falado, também pelo Instituto de Criminalística.

Segundo Sampaio, durante o evento foi constatado que nenhum outro país da América Latina utiliza a técnica de hipnose forense. “É um congresso de alto nível que abordou a hipnose de uma forma geral. A minha apresentação foi a única que abordou o tema hipnose forense e, durante a minha palestra, foi constatado que realmente não há nada parecido na América Latina, transformando o nosso laboratório no único que realiza a atividade”, conta. Ele também ressaltou que em alguns países é desenvolvido um trabalho parecido para solucionar crimes, mas com psicólogos, e não por hipnose.

Rui Sampaio também comentou que a apresentação do trabalho colocado em prática pela Polícia Científica do Paraná chamou a atenção de representantes de outros lugares. “A apresentação teve uma repercussão muito positiva e mostrou interesse de outros países para realizar atividades na área. Policiais do Equador, por exemplo, manifestaram interesse e ficaram de entrar em contato para podermos fornecer a capacitação necessária para que eles exerçam a atividade naquele país”, afirma.

De acordo com Sampaio, o congresso ajudou a conhecer outras técnicas que podem ser incorporadas no Paraná. “Foram abordados diversos temas durante o evento e sempre tem alguma novidade, algo que a gente possa adaptar para o nosso laboratório. Assisti à apresentação de um trabalho sobre regressão, realizada por uma psicóloga do Rio de Janeiro em conjunto com uma psicóloga da Argentina, que pode somar bastante e agregar ao nosso trabalho”, ressalta.

DESTAQUE – O Laboratório de Hipnose Forense foi inaugurado em setembro de 1998 e funcionou até outubro de 2008, quando foi desativado. O serviço reiniciou as atividades em dezembro de 2011 e é considerado o único da América Latina especializado no uso desta técnica para colaborar com a investigação de crimes. A técnica já ajudou a solucionar casos até 14 anos após o ocorrido. A reativação do laboratório faz parte do Programa Paraná Seguro, que realizou diversos investimentos na área de segurança como também a contratação de novos policiais para as polícias Científica, Civil e Militar e aquisição de novas viaturas .

GALERIA DE IMAGENS