Polícia Científica promove reunião com representantes do Paraná e do Pará para debater sobre acidente com ônibus na BR 376
18/02/2021 - 15:37

A Polícia Científica do Paraná promoveu um debriefing do acidente da BR 376 na última quarta-feira (17/02) com representantes das forças de segurança pública dos estados do Paraná e do Pará que estiveram envolvidas no atendimento e resoluções do acidente, que aconteceu na manhã do dia 25/01, no km 668+10, sentido sul, em Guaratuba, e resultou em 19 vítimas fatais. O debate teve o intuito de promover uma troca de experiência e fomentar análise sobre os principais pontos positivos e outros a serem melhorados, para outras situações, além de estreitar os laços entre os dois estados.
 
A coordenadora de identificação de vítimas de desastres e diretora da Academia de Ciências Forenses da Polícia Científica do Paraná, Patricia Doubas Cancelier, pontuou as experiências profissionais e pessoais como perita criminal e também destacou a importância deste encontro para o trabalho de perícia. "Esse evento é uma reunião de discussão entre todos os atores envolvidos no atendimento da BR-376 e que traz para nós uma oportunidade de melhoria. Então, refletimos sobre os pontos positivos do atendimento e também pontos a serem melhorados, o que nos prepara para caso haja outra situação semelhante", acrescenta Patricia.
 
Quando um acidente desta magnitude ocorre, a Polícia Científica do Paraná aciona a Comissão Permanente de Identificação de Vítimas de Desastres (DVI), cuja presidente é a perita Viviane Paola Zibe e Piegel e coordenadora a perita Patricia Doubas Cancelier, para fazer o protocolo internacional de identificação das vítimas. No acidente com o ônibus do Pará foram enviados sete peritos criminais para o local a fim de periciar tanto o acidente quanto atuar na preservação dos vestígios para auxiliar na identificação de todos os envolvidos. Os corpos das vítimas passaram por perícia da Polícia Científica do Paraná e o Instituto Médico Legal (IML) fez necropsia em todos eles. Do total, 16 deles foram identificados por papiloscopia, dois por exames de DNA e, um deles, foi por reconhecimento.

Além do debate, Patricia Doubas Cancelier destaca o diálogo entre as forças de segurança do Paraná e a Secretaria de Segurança Pública do Pará, que foram essenciais para a otimização do tempo e também para a realização dos serviços das entidades envolvidas do Paraná. “Desde o acesso ao banco de dados de impressões digitais para identificação das vitimas, que na sua maioria eram paraenses, as informações foram enviadas para nós, para que pudessemos identificar os corpos.  Ficamos com a tutela dos corpos no Paraná até a entrega para o Pará, e eles liberaram por lá devido a situações envolvendo os familiares. Essa colaboração durante a semana de atendimento ao acidente foi constante e muito proveitosa, porque nós conseguimos dar uma resposta para a população do Pará de uma maneira rápida e eficaz, no intuito de não aumentar a dor daquelas famílias", esclarece.
 
Também esteve presente na reunião o perito da Polícia Científica do Pará, Dr. Celso Mascarenhas, que relatou sobre o conhecimento adquirido nesta experiência e também a atuação junto à instituição do Paraná. "O Pará vai fazer um convite ao Paraná para desenvolver esse serviço na nossa perícia. Nós temos a perícia muito bem formada lá, mas não tem este serviço (Comissão de DVI), e esse contato plantou essa semente. Estamos, agora, obrigados a fazer esse serviço que a perícia do Paraná tem, um serviço de excelência", pontuou Dr. Celso Pereira.
 
No encontro houve também  o reforço da ferramenta de Sistema de Comando de Incidentes (SCI), em que o Capitão Icaro Gabriel Greinert do Corpo de Bombeiros (que esteve no local do acidente atuando no resgate das vítimas) pontuou a importância deste sistema para casos desta natureza. "O sistema de Comando de Incidentes é uma ferramenta criada nos EUA e que nós do Corpo de Bombeiros do Paraná adotamos. Esta ferramenta propõe resoluções de problemas institucionais, então, temos a concessionária, o Corpo de Bombeiros e várias outras agências. Por isso, se todas estiverem trabalhando dentro dessa ferramenta é muito mais fácil fazer o gerenciamento de uma crise desse tamanho", relata o capitão Gabriel.
 

PRESENÇAS - Participaram da reunião como representantes da Polícia Científica do Pará, o diretor-geral do Centro de Perícias Científicas (CPCRC) Renato Chaves, os peritos criminais Celso Mascarenhas, Isabela Barreto e Hinton Junior; representantes da Polícia Científica do Paraná, o diretor geral, Luiz Rodrigo Grochocki, a Presidente de DVI da Polícia Científica do Paraná e perita, Viviane Paola Zibe Piegel, a coordenadora de *Identificação de Vítimas de Desastres e perita criminal, Patricia Doubas Cancelier, e os peritos criminais Márcio Alexandre Tavares, Edison de Jesus e Fernando Fernandes,; um representante do Batalhão de Operações Aéreas (BPMOA), o capitão Marcio Valim de Souza; representes do Corpo de Bombeiros, o capitão Icaro Gabriel Greinert, Major Fabrício Frazatto dos Santos; representando a Secretaria da Segurança Pública (Sesp), o Major Ivan Ricardo Fernandes; representante do serviço funerário, a Diretoria Funerária Municipal de Curitiba, Clarisse Dias; e representantes de outras entidades que estiveram envolvidos com a atuação/serviço do acidente da BR 376.

GALERIA DE IMAGENS

Últimas Notícias