Segurança Pública do Paraná recebe comitiva do Pará e trabalha na elucidação do trágico acidente ocorrido na BR 376; 16 já identificados
25/01/2021 - 22:00

Instituições vinculadas à Secretaria da Segurança Pública do Paraná trabalham integradas para dar atendimento e suporte e para esclarecer o acidente com ônibus, ocorrido na manhã desta segunda-feira (25/01), na BR 376, km 668+10, sentido sul, em Guaratuba, litoral do Paraná. Neste sentido, a Secretaria de Estado da Segurança Pública do Paraná (SESP) está em tratativas com o Governo do Pará para alinhar questões referentes ao acidente. Nesta terça-feira (26/01), o Paraná vai receber uma comitiva vinda daquele estado composta por um médico, um perito, um bombeiro, um delegado de Polícia Civil e um major da Polícia Militar. Os profissionais devem chegar no início da tarde em Curitiba.

“A nossa secretaria de segurança está trabalhando com a secretaria daquele estado para que a solução deste caso se dê o mais breve possível, nosso esforço está sendo total para diminuir o sofrimento destas famílias neste momento de dor, gerada por esta grande tragédia”, explica o secretário paranaense, Romulo Marinho Soares.

Segundo informações daquele estado, o proprietário da empresa também já está vindo ao Paraná, para fazer as tratativas com a seguradora, a fim de providenciar o translado dos corpos. Além disso, conforme informado, aquele governo está fazendo a contratação de uma aeronave para levar os corpos para o estado do Pará. “Este trabalho está sendo em conjunto com nossa Polícia Científica, e com todas as diretrizes e respeito necessários”, acrescentou o secretário.

Os papiloscopistas da Polícia Civil do Paraná, em parceria com a Polícia Científica, já identificaram 16 corpos através de exames necropapiloscópicos, processo pelo qual coletam as impressões digitais e realizam o confronto com padrões enviados pela Polícia Civil do Pará. Outros três corpos estão sendo identificados pela Polícia Científica por meio de exame de DNA.

POLÍCIA CIENTÍFICA - Quando um acidente desta magnitude ocorre, a Polícia Científica do Paraná aciona a Comissão Permanente de Identificação de Vítimas de Desastres (DVI), cuja presidente é a perita Viviane Paola Zibe e Piegel para realizar o protocolo internacional de identificação das vítimas. Neste caso em particular, foram enviados sete peritos criminais para o local a fim de periciar tanto o acidente quanto atuar na preservação dos vestígios para auxiliar na identificação de todos os envolvidos.

“Nossa participação foi para recolher dados que vão subsidiar na identificação das vítimas deste desastre. Conseguimos conversar com o pessoal da PRF e do Corpo de Bombeiros para ver para onde foram as vítimas vivas, para quais hospitais. Agora estamos trabalhando na confirmação dos nomes. No local, também organizamos a ida dos rabecões para Curitiba”, descreveu a presidente. “A perícia verificou também as condições da pista e da sinalização naquele local e começou a reconstruir a dinâmica desta ocorrência”, completou o perito oficial e Coordenador das ações da Polícia Científica no Verão Consciente, Alex Tavares.

O Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba realizou todas as dezenove necropsias até o fim da tarde de segunda-feira. Do total de corpos, dez são masculinos e nove femininos (três menores de 18 anos). De todos, até o momento - 13h - dezesseis já foram identificados, todos por papiloscopista da Polícia Civil, e os demais estão em processo de DNA. Por respeito às famílias das vítimas, a Polícia Científica do Paraná vai fornecer a identidade dos óbitos aos familiares e ao Governo do Pará. “Conforme o protocolo de DVI, estamos entrando em contato com as famílias e alguns até já fizeram o reconhecimento de seus entes”, explica a Dra. Viviane. 

POLÍCIA CIVIL – A Polícia Civil também está atuando nos trabalhos desde a metade da manhã. De acordo com o delegado plantonista de Guaratuba, Cristiano Quintas, as investigações continuam e será instaurado um inquérito policial a cargo da Delegacia de Delitos de Trânsito de Curitiba (Dedetran). “Foi determinada que a Dedetran fizesse o inquérito policial, até mesmo em razão dos corpos das vítimas estarem sendo removidos para o IML de Curitiba”, disse. 

O delegado também falou que já ouviu o motorista do ônibus. “O motorista não apresentava sinais de embriaguez, e relatou que teria detectado um problema nos freios, ao entrar em uma curva, mas não conseguiu entrar em nenhuma área de escape, bateu no guard rail, tombou e caiu em um desfiladeiro”, explica o delegado. Ainda segundo ele, serão ouvidas testemunhas e vítimas sobreviventes para apurar o trágico acidente ocorrido nesta manhã.

ATENDIMENTO ÀS VÍTIMAS - Desde os primeiros momentos equipes do Corpo de Bombeiros, da Polícia Rodoviária Federal, da Polícia Militar e do Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas (BPMOA), trabalharam incansavelmente no socorro das vítimas e na localização dos corpos. A Polícia Civil e a Polícia Científica também foram acionados para os serviços de polícia judiciária e perícia, respectivamente.  

De acordo com a tenente do Corpo de Bombeiros, Ana Paula Inácio de Oliveira Zanlorenzzi, o trabalho das equipes teve foco no atendimento às vítimas que estavam no local. “Todas as vítimas foram atendidas pelo protocolo de Sistema de Comando de Incidentes (SCI) e foram triadas de acordo com a gravidade de seus ferimentos e lesões”, explicou. “Os trabalhos de identificação das possíveis causas e do que poderia ter ocasionado estão sendo verificados pelos órgãos competentes”, completou.

Todas as vítimas foram encaminhas para hospitais da região. As vítimas em estado mais grave foram encaminhadas, via aeronave do BPMOA, para o Hospital Cajuru, em Curitiba e, também, para o Hospital São José, em Joinville. Já as vítimas leves e moderadas foram encaminhadas, por ambulâncias, a hospitais em Garuva e Joinville, no Estado de Santa Catarina. Também houve apoio de uma aeronave de Santa Catarina no transporte.

EQUIPE ESPECIALIZADA - O tenente Henrique Arendt Neto, do BPMOA, conta que além dos transportes de vítimas, a aeronave também serviu para levar uma equipe especializada ao local. “Levamos uma equipe do Grupo de Operações de Socorro Tático - GOST junto com o canil, com cão especializado em busca de vítimas, para localizar aquelas que pudessem ter sido ejetadas do ônibus para a área de mata, por exemplo”, esclareceu.

O Corpo de Bombeiros utilizou caminhões de combate a incêndio e resgate, ambulâncias e viaturas de busca e salvamento, além de duas aeronaves do BPMOA. Também prestaram apoio, de forma integrada com o Governo do Paraná, viaturas da Concessionária Litoral Sul; Polícia Rodoviária Federal (PRF); aeronaves Águia de Santa Catarina; viaturas do Corpo de Bombeiros de Santa Catarina; Polícia Militar de Santa Catarina e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). 

De acordo com informações preliminares, o ônibus saiu na sexta-feira (23/01) do Estado do Pará, no Norte do Brasil, com destino ao litoral de Santa Catarina, o qual tinha previsão de chegada nesta segunda-feira (25/01), por volta das 12 horas. No entanto, próximo às 8h30, ocorreu o acidente, próximo à Curva da Santa.

Últimas Notícias